Comitê Entre Rios

Comitê Entre Rios

@Fernando Stankuns

As fortes chuvas que atingiram São Paulo no início deste ano evidenciaram a urgência na tomada de providências para enfrentar problemas de infraestrutura e mobilidade de maneira eficiente, inovadora e decisiva. A zona oeste da cidade, mais precisamente o trecho de confluência dos rios Pinheiros e Tietê, onde fica o bairro da Vila Leopoldina, foi uma das mais castigadas por essa enchente histórica. 

Há décadas o poder público tenta lidar com os desafios impostos pelo rápido desenvolvimento da região e cada vez mais fica evidente que, sozinho, pouca coisa será capaz de realizar. Enquanto isso, famílias de comunidades carentes, empresários, profissionais liberais, empreendedores da economia criativa, trabalhadores dos setores de logística e abastecimento, pesquisadores e acadêmicos, incorporadoras do mercado imobiliário, varejistas do setor automotivo e startups de tecnologia são gravemente penalizados. 

Por parte do governo do Estado de São Paulo está em andamento o Centro Internacional de Tecnologia e Inovação (Citi), que envolve Ministério da Economia, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Universidade de São Paulo (USP), entre outros agentes. A iminente saída da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) e sua transição administrativa ampliam as possibilidades e responsabilidades sobre o destino dessa área.

Por tudo isso, há uma oportunidade ímpar para mudarmos nossa forma de pensar e de nos relacionarmos com a cidade. Em vez de transferirmos ao poder público a responsabilidade, assumindo o risco de uma longa espera sem garantia de desfecho efetivo, propomos desempenharmos nosso papel de sociedade civil organizada, tomando a frente e o direcionamento do que precisa ser feito. 

Assim, a Cidades 21 lançou o Comitê Entre Rios que tem por objetivo identificar demandas e desenvolver um plano de ação para enfrentá-las, a partir da cooperação entre iniciativa privada e poder público. Participam da iniciativa moradores e empresários da área mais atingida pelas enchentes, aquela localizada entre os rios, especialmente Vila Leopoldina e adjacências.

Por todo o mundo, a participação e o engajamento da sociedade civil organizada, com seus mais variados perfis, desempenha hoje papel definidor no desenho de soluções e de caminhos para implementá-las. É hora de assumirmos a responsabilidade coletiva de identificar o que é possível e necessário realizar e darmos o primeiro passo para, juntos, construirmos alternativas viáveis, sustentáveis e contundentes.

Para saber como participar, escreva para fale@cidades21.com.br

Deixe uma resposta