Especiais

Evento do Itaú em parceria com a Cidades 21 discute a integração entre carros e bikes

Dia 03 de setembro de 2019 aconteceu no Itaú Cultural, em São Paulo, o encontro “Repensar para Integrar”, em que representantes do poder público, de organizações ambientais e de grandes empresas debateram alternativas para que carros e bicicletas possam conviver melhor.

O evento, que contou com a organização e mediação da Cidades 21, teve a participação de setores públicos e iniciativas privadas voltadas à mobilidade urbana para provocar reflexões sobre como o uso mais racional dos carros combinado a outros modais, como bicicletas e transporte público, são partes de um mesmo esforço a favor de cidades mais sustentáveis e menos congestionadas.

No caso das bicicletas, as vantagens são claras nos quesitos saúde, economia de gastos, trânsito e poluição: “A bicicleta permite redução nas emissões de poluentes e também a mitigação da poluição até mesmo para quem a emite”, disse Luciana Nicola, responsável pelo patrocínio do sistema de compartilhamento de bicicletas Bike Itaú. Ainda assim, pedalar na cidade é um desafio diário: falta infraestrutura, conexão com a rede de transporte e ciclovias que deem segurança ao convívio com os carros.

Para Rodnei Bernardino de Souza, diretor de Veículos do Itaú Unibanco, embora os congestionamentos nas grandes cidades tenha atingido níveis altíssimos, a demanda por veículos no país é crescente e deve seguir em ascensão especialmente no interior, impulsionada pela melhora da economia. “A hora em que a população tiver mais renda e maior massa salarial, vai consumir mais, não tenham dúvida”, afirmou. A solução está em alternativas mais limpas, como os carros elétricos. Um levantamento da empresa de energia CPFL mostra que o quilômetro rodado com um veículo elétrico no Brasil custa R$ 0,11 contra R$ 0,30 para os veículos a combustão.

Participaram ainda do encontro Elisabete França, diretora de Planejamento e Projetos na CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), Luis Antonio Lindau, diretor do programa de Cidades do WRI Brasil,  Nathalie Badaoui Choumar, assessora Municipal de Planejamento de Ações Climáticas em São Paulo do C40, Ana Nassar, diretora de programas no Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP), Hannah Machado, coordenadora de Desenho Urbano e Mobilidade da Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito em São Paulo, Luiza de Andrada e Silva, diretora-executiva do Instituto Cidade em Movimento (IVM), Renato Povia, gerente de inovação da CPFL,  Raquel Cardamone, diretora-executiva da startup de cidades inteligentes Bright Cities, e José Maurício Andreta Jr., vice-presidente executivo da Fenabrave (Fenabrave Federação Nacional Distribuição Veículos Automotores).

Deixe uma resposta