Mobilidade

Publicação reúne experiências para defesa da mobilidade a pé no Brasil

O material foi elaborado para que organizações da sociedade civil e indivíduos possam se inspirar para incidir politicamente na pauta do caminhar nas eleições municipais de 2020

Caminhar é poético, é instrumental, é um ato essencial. É a forma de deslocamento mais antiga, natural e inerente aos seres humanos. Todos os dias, somos cerca de 130 milhões de pedestres nos movimentando pelas ruas do Brasil: usando seus próprios pés e, quando necessário, bengala, muleta, cadeira de rodas, carrinho de bebê ou qualquer outro dispositivo para acompanhar esse movimento. A mobilidade a pé, tão antiga quanto a humanidade, conecta pessoas e lugares. Também se relaciona com outras formas de deslocamento — o que implica atenção aos diversos tipos de infraestruturas oferecidas e à gestão do espaço público urbano. 

Com base na pesquisa da Associação Nacional de Transportes Públicos (2017), estima-se que 40% dos brasileiros se deslocam exclusivamente a pé. Se incluídos os 28% dos deslocamento diários em transporte coletivo — que sempre possuem um trecho também a pé no início e/ou final do deslocamento —, os deslocamentos a pé chegam a 68% do total. Mesmo assim, os veículos motorizados individuais predominam na paisagem dos centros urbanos. Em algumas cidades, chegam a ocupar mais de 80% do sistema viário (IEMA, 2017), seja para circular ou para estacionar, relegando os espaços exclusivos para pedestres ao mínimo.

Mesmo que o arcabouço legal brasileiro evidencie a prioridade aos pedestres e a necessidade de planejamento da rede de mobilidade a pé, ainda são tímidos os avanços contabilizados diante do quadro de mudanças necessárias que precisam ser enfrentadas 

Isso posto, entendendo as eleições municipais previstas para acontecerem no Brasil em 2020 como um momento oportuno para incidir nos espaços de sensibilização e de formulação de políticas públicas democráticas, foi lançada recentemente a publicação online ANDAR A PÉ EU VOU: CAMINHOS PARA A DEFESA DA CAUSA NO BRASIL, desenvolvida no âmbito do projeto Como Anda, com a colaboração de mais de 100 indivíduos e organizações (disponível aqui para download). O material reúne uma série de experiências nacionais que influenciaram outras ações, projetos ou políticas públicas voltadas para os deslocamentos a pé e também conta com um cardápio de táticas e ferramentas identificadas e amplamente utilizadas para fortalecer o tema na agenda política. 

É evidente que cada lugar e cada contexto pedem formas de caminhar distintas, mas as investigações relatadas na publicação revelam que, ainda que os espaços de troca sejam poucos e informais e que o movimento em prol da mobilidade a pé esteja em fase incipiente, existe um fluxo de informações e de intercâmbio de experiências que permitiu que muitos grupos tenham adotado estratégias, táticas e ferramentas similares para conduzir processos de defesa do caminhar.

As investigações apresentadas na publicação mostram que ainda há muitos passos a serem dados, mas que muitos grupos já estão em marcha! Também abre possibilidades concretas de  construirmos melhores condições e visibilidade para as pessoas que se deslocam — e ocupam as cidades — a pé. Esse movimento transita entre o individual e coletivo e encontra ressonância na singularidade, na potência e no valor que cada ação soma à causa. Trata-se de um trabalho de fôlego, feito a muitas mãos (e pés!) e que, esperamos, contribua para todas as pessoas que querem fortalecer o movimento a pé no paí­s.

No dia 03/08 realizamos um webinar de lançamento, com a participação de pessoas que contribuíram direta ou indiretamente desta construção: confira o vídeo completo no youtube do Como Anda: Lançamento da publicação “Andar a pé eu vou: caminhos para a defesa da causa no Brasil”

Mais um passo: “Manifesto por cidades para pessoas a pé”!

No dia 08/08/2020, dia internacional do pedestre, nós, defensoras e defensores de cidades planejadas, construídas e cuidadas para – e por – pessoas a pé, ao lado de cerca de 150 pessoas e organizações, elaboramos e assinamos em conjunto o “Manifesto por cidades para pessoas a pé”! 

Acesse aqui o documento: https://bit.ly/manifestopessoasap%C3%A9

Sobre o projeto Como Anda 

Como Anda é o ponto de encontro de organizações que promovem mobilidade a pé no Brasil. A iniciativa nasceu em 2016, fruto de uma parceria entre as organizações Cidade Ativa e Instituto Corrida Amiga, com apoio do Instituto Clima e Sociedade. Um dos seus principais objetivos é criar um ambiente fértil para o empoderamento desses grupos, disseminando informações sobre iniciativas e projetos, disponibilizamos dados e promovendo oportunidades para que organizações se encontrem, troquem e atuem em parceria. Além disso, o projeto tem um grande compromisso em disseminar esse conhecimento para a sociedade. Por isso, atua por reforçar a pertinência e a urgência dessa pauta e por inseri-la nas diferentes mídias e nos debates sobre projetos e políticas públicas.

Silvia Stuchi
Idealizadora do Instituto Corrida Amiga e pós-doutoranda, com enfoque na mobilidade ativa, do Programa de pós-Graduação em Sustentabilidade da EACH-USP (Universidade de São Paulo), bacharel em Gestão Ambiental, pela mesma instituição e Mestre e Doutora em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Realizou estágio de doutorado sanduíche no Centre Lillois d´Etudes et Recherches Sociologiques et Economiques (Clersé-USTL), à l´Université des Sciences et Technologies de Lille 1. Foi Pesquisadora visitante do VTT Technical Research Centre of Finland.

Deixe uma resposta